A MORTE COMO FATO DETERMINANTE DA SUCESSÃO