HERANÇA JACENTE E HERNÇA VACANTE: configurações jurídicas (I)